PM mata estudante em festa com 22 tiros, e o motivo é inacreditável

Por: Caio Henrique
13 dezembro 2017 13h 07min

Um caso impressionante ocorreu durante uma festa em Campo Grande, Rio de Janeiro.

Durante uma festa, Hayssa Alves de Souza resolveu ir até o DJ para pedir pra ele tocar uma musica, que seria um funk, isso acabou revoltando o PM Jorge Luis Aguiar da Silva, de 39 anos, Cabo da Polícia Militar.

Segundo informações do jornal O Dia, a vítima e o atirador não se conheciam. Uma prima da jovem de 21 anos, que preferiu não se identificar, relatou que todas as pessoas que foram convidada para festa tinha o direito de pedir uma música, e foi exatamente o que Hayssa fez. Logo após ela pedir a música, o PM não gostou e começou a ameaçar ela.

“Ele chutou o copo dela e perguntou por que Hayssa estava rindo. Depois, ameaçou-a de morte e atirou 26 vezes”, contou a prima da jovem.

Segundo o delegado Fábio Cardoso, titular da Divisão de Homicídios (DH) da Capital, o PM teria ficado irritado pois a musica escolhida por Hayssa fazia apologia ao Comando Vermelho.

“O policial foi tirar satisfação dizendo que aquilo era música de bandido e ostentou o tempo inteiro a arma”, disse o delegado.

Após o ataque, a jovem foi levada imediatamente ao Hospital Municipal Rocha faria, ainda com vida, mas acabou não resistindo aos ferimentos. Segundo a necropsia, Hayssa possuía 36 lesões de arma de fogo.

Um tio de Hayssa, que também não quis se identificar, em um relato pediu justiça e lamentou a morte da sobrinha. “Ela gostava muito de ir para festas. O amor de muitos está se perdendo. Esse cara matou a minha sobrinha por conta de uma música. Agora, fica a esperança que a Justiça de Deus e a dos homens sejam feitas. Perdemos ela, mas que sirva de alerta para que outras pessoas reavaliem suas atitudes e pensamentos. Perdoamos ele, mas que isso não fique impune. Ele destruiu famílias”, disse.