O que você precisa para financiar uma casa pelo novo programa do Governo

0
2828

O sonho da casa própria sempre foi algo muito buscado e desejado por todos os brasileiros. Nesse sentido, o Programa “Minha Casa Minha Vida” pode ser uma excelente alternativa para as famílias de baixa renda, facilitando o acesso a financiamentos de casas com parcelas que estão de acordo com o orçamento dos cidadãos.

Para se cadastrar no programa, é necessário que a pessoa atenda a certos pré-requisitos, como não estar envolvido com nenhum outro tipo de projeto de habitação social e ter uma renda limitada a R$7.000,00 reais mensais. Esse auxílio é uma ótima oportunidade para sair do aluguel e manter as contas dentro do seu orçamento.

Para financiar o seu imóvel, você precisa estar dentro de uma das faixas das rendas estipuladas pelo programa, que são:

  • faixa 1 — renda familiar de até R$1.800,00;
  • faixa 1,5 — renda familiar de até R$2.600,00;
  • faixa 2 — renda familiar de até R$4.000,00;
  • faixa 3 — renda familiar de até R$7.000,00.

A renda familiar pode ser composta por até no máximo três pessoas. Além disso, para cada uma das faixas destacadas existem regras específicas que determinam o valor das parcelas e a taxa de juros que será cobrada para cada cidadão.

Existem algumas condições que são definidas pela “Portaria do Ministério das Cidades” para avaliar quais cidadãos têm direito ao auxílio do Programa “Minha Casa Minha Vida”. Entre os critérios, destacam-se as famílias que moram em áreas de risco ou pessoas desabrigadas, desde que comprovadas por declaração do governo.

Ou famílias em que as mulheres são responsáveis pela casa ou que algum integrante apresente alguma deficiência legalmente medicada. Outro critério são as pessoas inscritas há mais de três anos no cadastro habitacional e que ainda não tenham sido beneficiados pelo programa.

Todas essas circunstâncias são utilizadas para determinar os três grupos de prioridade, que são:

 

  • grupo I — candidatos que atendem de quatro a seis critérios do programa são destinados a 60% das unidades habitacionais financiadas;
  • grupo II — cidadãos que comprovem de dois a três parâmetros são destinados a 25% das unidades habitacionais do programa;
  • grupo III — pessoas com apenas um critério comprovado ficam destinadas a 15% das unidades habitacionais.

Após a confimação de todos os requisitos e condições e possuindo todos os documentos necessários, é obrigatório ir até a prefeitura mais próxima, Secretaria da Habitação ou outro órgão idealizador credenciado que forneça o cadastro do Programa “Minha Casa Minha Vida”.

Um pouco sobre a documentação necessária:

Como o Programa “Minha Casa Minha Vida” é apenas para um grupo restrito de pessoas, é necessário que a documentação atenda a todos os requisitos. Para que não haja imprevistos é sempre importante estar em com todos os documentos originais e suas cópias em mãos. Os documentos necessários são:

  • comprovante de renda (contracheque ou holerite);
  • documento de identificação com foto (RG e CPF);
  • comprovante do estado civil (certidão de nascimento ou casamento);
  • comprovante de residência atual;
  • declaração de imposto de renda.

Vale lembrar que caso você seja um trabalhador autônomo, a comprovação de renda pode ser feita a partir de extratos bancários de pessoa física ou com pró-labore. Além disso, se houver a intenção de juntar a sua renda com alguém, a documentação providenciada deve envolver todos os requerentes dos dois.

O que é o programa Casa Verde e Amarela?

Novo programa habitacional do governo. Apesar de muitas pessoas terem ficado com medo das mudanças, ele terá objetivos muito semelhantes em relação ao que você leu até aqui. As principais mudanças se referem a:

  • estratégia de agrupamento das rendas para acesso aos benefícios;
  • maiores subsídios para quem mora nas regiões Norte ou Nordeste e para os cotistas do FGTS;
  • possibilidade de usar o programa para a regularização do registro do imóvel, a realização de reformas ou para o pagamento de financiamentos com parcelas atrasadas.

Como o programa funciona?

De forma geral, o funcionamento é muito semelhante ao MCMV ( Minha Casa Minha Vida), você apenas precisará se adaptar a alguns novos conceitos . 

Quem pode participar do programa Casa Verde e Amarela?

Pode participar qualquer brasileiros com renda de até R$ 7.000,00 reais. Caso ainda não tenham um imóvel, poderão entrar nas modalidades de compra da casa própria. Por sua vez, quem já participa de um financiamento ou tem propriedade imóvel somente poderá participar das modalidades de reformas e regularização.

Em relação aos negativados possivelmente, eles continuarão a poder participar quando se enquadram apenas na faixa 1,5. Portanto, é preciso aguardar mais detalhes para termos certeza.

De acordo com o governo federal, todas as unidades em construção e previstas para o MCMV serão continuadas dentro do Casa Verde e Amarela. Por esse motivo, acreditamos que o programa será tão bom quanto o anterior, podendo ser ainda maior.

A grande questão no momento é em relação ao subsídio na forma de abatimento do valor financiado. Na faixa 1 do MCMV, ele chegava a 90% do imóvel nas rendas familiares mais baixas. Dessa forma, eles financiavam apenas 10% do valor.

Caso não haja o mesmo benefício, é possível que apesar de se encaixar nos critérios dos programas, essas famílias não possam arcar com o valor dos financiamentos. Mesmo que ele não seja tão elevado, as melhores construtoras devem continuar oferecendo condições especiais para facilitar o sonho do apartamento próprio dos brasileiros. Por isso, é importante escolher aquelas com reconhecimento no mercado e capacidade de fazer ofertas competitivas.